quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

A Armadilha da Vaidade no Mundo Marcial

          Dentre as muitas ciladas e armadilhas que se apresentam do Caminho do Guerreiro. A que merece significativa relevância é a VAIDADE. Chamada também de orgulho, ou soberba. É o desejo de atrair a admiração das pessoas. Reflexo de um mundo onde a competitividade é constante, muitos praticantes marciais acabam enredados e seduzidos pela idéia da atração dos olhares para as façanhas e exibições de habilidades.
          Comum, para quem inicia a prática marcial sentir-se de certa forma distinto aos demais. É natural que a auto-estima fique alta, pois assim como os animais, o humano vive numa espécie de cadeia predatória. As Artes Marciais, produzem no indivíduo uma sensação de auto-sustentabilidade que para alguns se manifesta de forma positiva. Porém, muitos pavoneam evidenciando o quanto ainda são imaturos.
          A vaidade, porém, não é uma cilada que aguarda apenas pelos iniciantes. Principalmente os mestres são seduzidos pelas amarras do culto à própria imagem. Muitos são enredados.
          Um mestre, à frente da escola é o representante direto de uma determinada Tradição Marcial. Através dos mestres, essa Tradição é transmitida. A Tradição é o tronco, e através dela se ramificam galhos que vão ficando fortes, que posteriormente irão gerar galhos novos. Assim a genealogia da Tradição Marcial vai continuando viva. Claro, como numa árvore, são gerados galhos bons, galhos tortos, galhos que apodrecem, etc. O Caminho Marcial é o tronco. Todo o conjunto da Árvore é a Tradição.
          Quando um praticante começa a gerar novos galhos, a armadilha é colocada em seu Caminho. Este estando à frente, passará a ser admirado, será bajulado e errôneamente endeuzado. Se inicia um processo de culto à personalidade do mestre. Os alunos cometem a grande falha de cultuar ao mestre e não à Arte. Então, se o mestre começar a se achar merecedor de tudo isso sem alertar que a máxima do Caminho é a Arte, fica evidente de que foi pego pela armadilha. Sem notar, este se tornou uma pessoa vaidosa.
          Contudo, existem alguns instrutores que frequentemente alertam. Mas com palavras somente da boca, com falsa modéstia. Pois sua real intensão é ser considerado um "iluminado", um ser de outra dimensão, um abdusido ou um ser mitologico encarnado. Encarregado de trazer a "boa nova" do "caminho marcial" aos homens. Instrutores que querem adoradores, não alunos.
          Há um grande equívoco de interpretação com relação à respeito. Respeitar, significa acatar, saber ouvir, dar atenção, ser atento ao que alguém tem a lhe ensinar, ter consideração. Não tem a ver com culto de personalidade, tampouco bajulação.
"A bajulação é a moeda falsa que só circula por causa da vaidade humana."
 François La Rochefoucauld
          Bajulação e culto de personalidade, é a arma mortal qual o aluno usa para destruir o mestre. Um leão é um ser imponente que não pode ser derrotado por nenhum outro animal, porém os vermes que estão dentro dele podem matá-lo. Quando se bajula, inocentemente o aluno devora o Espírito Guerreiro do mestre. Os vermes que estavam dentro o irão devorar de dentro para fora.

          O mestre, é o guia que nos orienta pelo Caminho Marcial, mas não é o Caminho. Fazendo uso das palavras de Buddha, adaptando ao nosso contexto: O mestre é o dedo que aponta e nos mostra a lua. Se você aceita o dedo como sendo a verdade, jamais verá a lua. O bajulador é como um macaco que vê o reflexo da lua na água, e fica tão maravilhado que não consegue mais olhar para o céu e enxergar a verdadeira lua.
          O Caminho que escolhemos nos é mostrado, mas a forma de andar e o ritmo é por conta do caminhante. O mestre é antes de tudo um companheiro de Caminhada, ele nos mostra o Caminho que percorreu e a direção dentro da Via. Contudo, cada um tem as próprias pedras e obstáculos a superar neste Caminho.
          O mestre marcial é o guia, não o Caminho.       
Acompanhe o mestre, mas Siga o Caminho. Respeite o mestre, mas Honre o Caminho. Ouça o mestre, mas Acredite Unicamente no Caminho. Lute ao lado do mestre, mas Morra Defendendo o Caminho. O Caminho é a VERDADE INQUESTIONÁVEL. - Eduardo Lara (2012)
          Mostre seu respeito ao mestre treinando com diligência e seriedade. Um mestre não é um deus a ser adorado. Mimo não estraga só criança. Existe também o adulto mimado, que é mais impertinente e egocêntrico.
          Um mestre é um ser humano comum que possui suas fraquezas, falhas, tem dias difíceis, tem dúvidas e às vezes tem vontade de desistir. Afinal, um mestre é HUMANO. Nas horas cruciais o aluno deve demonstrar sua consideração. Mostrando através da seriedade dos atos e  no treinamento ao mestre que seu trabalho vale a pena.
          Quem pratica culto de personalidade alimenta o demônio da VAIDADE. Quem se conforma em ser cultuado, tem esse demônio como obsessor. Um mestre vaidoso é um "CEGO GUIA DE CEGOS".  Mestres vaidosos cedo ou tarde perdem a credibilidade. Pois as pessoas sérias aos poucos vão se afastando, restando apenas os bajuladores e poltrões. Assim, quem perde são as Artes Marciais.


          Aquele que deseja dedicar sua vida ao Caminho. Desde o início deve começar a aprender a desviar desta "eficiente armadilha". Não se encante pelas lisonjas, saiba esquivar dos bajuladores. Principalmente, tudo o que fizer faça para si. Aos elogios do mundo, prefira os aplausos de sua própria consciência.
          Assim as correntes do Ego não serão fortes o bastante para aprisioná-lo.


4 comentários:

Armando Inocentes disse...

Os meus parabéns pelo seu blog Lara San! Já sou seguidor...

Pena só agora ter descoberto, mas ainda a tempo!

Saudações de Portugal.

Armando Inocentes
http://karatedopt.blogspot.com/

Uchideshi Eduardo Lara disse...

Oss Inocentes San!

Parabéns também pelo seu blog. Também me tornei seguidor.

Saudações do Brasil

Armando Inocentes disse...

Sobre a vaidade, gostaria de fazer um apelo: não chamemos "mestres" aos que confundem o "obi" com um "hachimaki", pois há aqueles que em vez de usarem a faixa à cintura usam-na na cabeça!

Grande abraço!

Uchideshi Eduardo Lara disse...

Excelente observação Sensei.
Fico imensamente feliz por ter a oportunidade de acompanhar suas colocações, que de forma sutil complementam o blog.
Domo Arigato Gozaimashita.